Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Desafios do novo autor: 2ª Parte

Com a primeira edição, do meu primeiro livro na editora, eu imaginava que minha vida ia mudar, pois agora eJustificaru era um escritor com livro publicado (autor), não imaginava que após vencer os primeiros desafios os próximos seriam tão desafiadores. Quando o livro chegou não sabia o que fazer com ele em mãos, não tinha idéia de como fazer um lançamento de um livro, então não fiz.

Mostrei o livro para alguns colegas da empresa onde trabalhava e comecei a vender o livro para os amigos de lá mesmo, fiquei animadíssimo, pois quase todos compraram. Como era meu primeiro livro e feito de forma independente, eu pedi poucas cópias, não tinha como bancar os custos para uma tiragem maior e em duas semanas vendi todos. Depois disso passei a publicar em meu blog e em sites especializados.

Em 2009, tive a idéia de criar o Fala Escritor e convidei o mesmo Valdeck Almeida que me ajudará a publicar meu primeiro livro e outros escritores que conheci através de comunidades na internet e também amigos de Valdeck, logo estaria publicando meu segundo livro e esperava o maior sucesso com ele, coisa que não aconteceu, apesar de eu considerá-lo muito melhor que o primeiro.

Lancei o segundo livro no próprio Fala Escritor, no dia 14 de novembro de 2009, na MegaStore Saraiva Salvador Shopping, com o espaço de eventos lotado, porém das mais de cinqüenta pessoas presentes, apenas quatro compraram o livro, outros 3 foram vendidos no dia seguinte, totalizando sete livros vendidos por conta do lançamento, fiquei super abatido por um lado e feliz por outro, pois era a quarta edição do Fala Escritor com lotação máxima do Espaço Castro Alves da Saraiva.

Outra coisa que me deixou abatido foi à ausência dos amigos clássicos no lançamento, muitos confirmaram presença, porém quase todos deram boas desculpas após ausência. Então parti para a venda boca a boca com colegas de trabalho e amigos, como é comum os colegas de trabalho são bons pagadores, já os amigos clássicos...

Indicações:

Projeto Fala Escritor: http://www.falaescritor.blogspot.com/

Escritor Valdeck Almeida: http://galinhapulando.com

Fonte da Imagem: http://www.axisdraco.com/como-escrever/


segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Nova tragédia envolvendo casarão tombado.

Muita gente não entende minha posição quando afirmo que seria melhor derrubar os prédios e casarões antigos de Salvador. Tive que explicar na parte de comentários a várias pessoas que se manifestaram contrárias ao meu posicionamento, algumas de forma arrogante inclusive e até mesmo amigos pessoais que não acreditaram no que eu estava defendendo. Fui acusado até de não entender nada sobre política de tombamentos.

Não posso afirmar que sei tudo sobre política de tombamentos, não fiz nenhuma especialização sobre o tema, porém posso dizer que a experiência que temos em nossa cidade nos faz julgar que esses casarões ruínas (não estou falando dos bem conservados e constantemente restaurados) não serão restaurados a tempo hábil e irão desmoronar na cabeça de alguém, como tem acontecido no últimos anos.

Ontem a noite, mais uma pessoa morreu dentro de um desses casarões, um homem de avançada idade que ficou preso aos escombros e ardeu em chamas, pois após o desabamento houve um incêndio. Ao chegar no local o Corpo de Bombeiros foi informado por populares que escutaram os gritos agonizantes do cidadão, mas nada poderiam fazer devido o risco de novos desabamentos.

Alguns questionam que a causa da morte não é o tombamento e sim a má conservação do bem tombado, isso é óbvio, porém a situação está posta, casarões estão em ruínas e caindo com ação das chuvas e do vento e para piorar a situação existem pessoas que não tem onde morar dentro deles, alguns utilizando-se até mesmo como comércio ou prostíbulo. E ai o que fazer? Até quando vão gastar milhões com escoras de ferro? Quantas vidas mais perderemos pela ação do tempo e descaso das autoridades?

Para concluir, sou a favor do tombamento de um imóvel conservado e que antes do tombamento haja um programa de restauração e conservação do imóvel, realizado por todos os interessados no tombamento, estado, prefeituras, IPHAN e proprietário. O Proprietário não pode arcar sozinho com os custos de um tombamento, por isso que em São José do Rio Pardo/SP Diocese e prefeitura são contra o tombamento da Igreja Matriz.

Sobre São José do Rio Preto

domingo, 23 de outubro de 2011

Desafios de um novo autor: 1ª parte

Quando pensei em ser um escritor tinha apenas 16 anos, gostava de ler os livros de Machado de Assis, José de Alencar, Joaquim Manuel de Macedo e outros clássicos da nossa literatura. Também lia suas biografias e a de autores estrangeiros consagrados e achava que sabia das dificuldades que teria pela frente com a minha decisão de ser escritor.

Hoje, com dois livros de poesia lançados de forma independente e participação em várias antologias percebo que o caminho é muito mais complicado do que eu pensava. Ainda aos 16 anos comecei a escrever um romance, cheguei a escrever trinta páginas no meu caderno da escola e depois parei devido a alguns questionamentos comuns a todo iniciante:

Como publicar um livro? Como procurar uma editora? Como enviar os originais? E se roubarem meus textos? Como as editoras trabalham? Eu tenho que pagar tudo ou a editora que paga os custos? Como o livro chega numa livraria? Quem me paga é a editora ou a livraria? Como fazer o lançamento? E se eu tiver que pagar, quanto deve custar? E outras inúmeras dúvidas que um novo autor tem.

Atualmente, é fácil ter respostas a essas perguntas, a internet está cheia de artigos respondendo a todas elas, mas em 1998, não existia tanta facilidade como nos dias atuais para acessar a rede, então desanimei e parei de escrever o romance, passando a escrever uma vez por outra uma poesia, uma peça de teatro para escola ou fazer paródia com músicas conhecidas para curtir com amigos.

Em 2007, as coisas começaram a mudar, foi quando participei de um concurso de poesias chamado “Poemas que Falam”, realizado pelo escritor Valdeck Almeida de Jesus em seu stand na Bienal do Livro da Bahia e fui um dos vencedores, tendo meu poema publicado no livro que levou o nome do concurso. Depois disso, entrei em contato com o organizador e disse que tinha vários poemas e que gostaria de publicá-los e o mesmo me deu todo apoio necessário.

Indicações:

Como Publicar um Livro:

http://falaescritor.blogspot.com/2010/06/como-publicar-um-livro.html

Marketing Pessoal Para Escritores:

http://www.videolog.tv/video.php?id=479198

“Eu sou todo poema” Poemas de Leandro de Assis

http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/1998473

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Entrevista ao site Poesia Baiana em Junho 2010

O poeta Leandro de Assis é o idealizador do projeto Fala Escritor que acontece na Livraria Saraiva do Salvador Shopping, todo mês. Nesta entrevista, Leandro, nos fala um pouco do projeto, como surgiu a idéia, qual o objetivo, acompanhe abaixo.


Poesia Baiana
- Como surgiu à idéia de fazer o Fala Escritor?

Leandro de Assis
– A idéia surgiu quando entrei numa comunidade de Orkut destinada a escritores de Salvador e vi que duas meninas estavam empenhadas em realizar um encontro entre os membros da comunidade e não dava certo. Eram elas: Monique Jagersbacher e Fau Ferreira.
Então pensei que um encontro com escritores deve ser algo que possa possibilitar cada um mostrar seu trabalho então, coloquei no papel como seria esse encontro e levei até a Livraria Saraiva solicitando o Espaço Castro Alves para realizá-lo e convidei ambas a fazerem parte do projeto. Simultaneamente convidei o Valdeck Almeida e o Carlos Souza e depois chegaram o Grigório Rocha e a Renata Rimet.

Qual o objetivo do projeto?

Dar oportunidade para os novos escritores baianos mostrarem seus trabalhos, incentivar a escrita, a publicação e o lançamento de livros desses autores, tirando-os literalmente da gaveta. Apesar de alguns não estarem em gavetas e sim na internet. Mas nada se compara ao calor humano, ao olhar atento do público para cada poema recitado, cada livro lançado, cada canção.

Quantas “edições” já aconteceram?

Estamos caminhando para a nona edição, até aqui são 18 livros lançados, 5 apresentações musicais e participação de mais de 50 poetas e poetisas. Para a próxima edição já contamos com mais dois lançamentos.

Existe algum tipo de apoio por parte de editoras, governo, instituições, parceiros?

Temos o apoio da Livraria Saraiva que nos concede gratuitamente o Espaço Castro Alves que é o espaço de eventos da loja do Salvador Shopping, também já fizemos um evento na loja do Iguatemi e em fevereiro (2010) tivemos o apoio do Vereador Isnard Araújo e fizemos uma edição no Espaço Cultural da Câmara Municipal de Salvador.

Você, como idealizador, atualmente se sente feliz com os resultados obtidos pelo projeto?

Super feliz e entusiasmado, o que me deixa mais animado não é o autor que foi lançar o segundo livro e sim aquele que foi lançar o primeiro, aquele poeta que pela primeira vez teve coragem de recitar um poema numa programação do Fala Escritor ou aquela pessoa que após presença no público do Fala Escritor, descobriu-se poeta ou decidiu escrever um livro e isso já vem acontecendo.

Acompanhe as novidades do evento, através do Blog do Fala Escritor .

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

A Tua presença é o bastante!

A presença do Espiríto Santos é o motivo da minha alegria, pois Ele transforma o meu ser e consola-me nos meus piores dias. Ensina-me a andar em justiça, conduz-me ao caminho do Pai, levando as minhas orações e por isso Sua presença me satisfaz.


Quando estou triste e abatido, clamo ao Pai, em nome do Filho, a presença do Espírito e Ele vem. Enche-me de esperança e regozijo, eu amo a presença de Deus.

Eu te amo Senhor!