Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

A Valorização da Beleza


Em diversas oportunidades os telejornais tem veiculado reportagens sobre o crescimento da indústria de cosméticos no Brasil e também o aumento do número de cirurgias estéticas. Este fato ajuda a perceber o quanto o brasileiro tem se preocupado com a imagem pessoal, porém em alguns casos de forma exagerada, ocasionando problemas de saúde.

Segundo o telejornal Hora News o Brasil ocupa a segunda posição no ranking mundial de cirurgias estéticas e mostrou o caso de um jovem empresário que investiu bastante dinheiro para modificar várias partes do corpo e obter a satisfação pessoal. Alguns anos atrás os noticiários de todo o país falavam dos casos de anorexia e bulimia, devido à morte de jovens modelos que apesar de magras se consideravam fora dos padrões de beleza da moda.

No programa de TV aberta com maior audiência do país o Big Brother Brasil da Rede Globo parece que o fator principal para fazer parte de uma das edições do programa é ter um determinado tipo de beleza, semanas atrás o apresentador do programa criou uma confusão entre os participantes ao fazer uma simples pergunta: “Quem realmente é bonito e quem apenas se acha?”.

Outro problema sério que o país enfrenta devido ao exagero na valorização da beleza é o uso de anabolizantes pelos jovens e adolescentes freqüentadores das academias de musculação. Muitos deles estão indo parar em hospitais, alguns não resistem e morrem e outros ficam com seqüelas graves no corpo.

É preciso que a sociedade perceba os exageros, que a família acompanhe a carreira das adolescentes modelos e os treinos dos garotos nas academias, que a escola atente para a necessidade de discutir esses assuntos e que haja programas de televisão de qualidade que sirvam tanto para entreter quanto para informar a população sobre coisas relevantes e ao invés de criar discussões bestas do tipo: quem é mais bonito ou mais feio.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

A Importância da leitura na formação dos jovens de hoje


Atualmente muito se discute sobre o uso exagerado das novas tecnologias pelos jovens e a pouca atenção que eles dão aos livros e ao hábito da leitura. Esse desapego tem contribuído para uma juventude pouco politizada, com senso crítico medíocre, mal informada e distante dos problemas sociais.

É preciso investimento do poder público no incentivo a leitura para que os jovens brasileiros tenham este hábito desde a infância, contribuindo assim, com o desenvolvimento cognitivo e por conseqüência o escolar. O país sente falta dos jovens estudantes com espíritos revolucionários e atentos a questões políticas e sociais, que utilizavam a música, a poesia e o teatro para protestar contra a ditadura militar, eles eram havidos pela literatura, principalmente dos clássicos, o que falta na juventude de hoje.

Pode-se observar a mediocridade literária dos jovens atuais através das músicas mais ouvidas por eles nas principais rádios do país, para mudar essa situação, é preciso que os pais controlem o tempo que seus filhos passam no computador e nos vídeo games para que tenham tempo para dedicar-se a leitura.

Com a união dos investimentos do poder público e a ação mais presente dos pais no controle do uso das novas tecnologias o Brasil terá uma juventude leitora e capaz de discutir e envolver-se na política e na solução dos problemas sócias que tanto afetam o cotidiano do país.