Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Eu também mataria!


Nesse momento o Brasil discute sobre a ação da polícia na favela do Andaraí no Rio de Janeiro, onde um policial do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais) confundiu uma furadeira com arma e matou um morador que de cima de uma laje instalava um toldo e de repente fez um movimento brusco com a ferramenta na mão.

Infelizmente o morador foi baleado no tórax e morreu imediatamente, estou muito triste com a situação, pois nesse momento duas famílias de pessoas importantes na sociedade estão em sofrimento, claro que a família de Hélio Parreira Ribeiro, 47 anos está muito mais abalada devido à morte do mesmo.

A população em geral não gosta de polícia e para completar, nós policiais militares somos odiados por muitos dos políticos atuais e jornalistas que um dia foram estudantes em manifestações nas ruas e precisaram ser retirados à força pela polícia. Eles ficam esperando momentos como este para “metralhar” os policiais militares.

Escrevo este texto para meus colegas policiais militares, convocando-os a gritarem, a comentarem o caso, a defender o colega mesmo que nos chamem de corporativistas, pois o Brasil quer colocá-lo na forca e apesar de sabermos que é um caso de legítima defesa putativa, precisamos no expressar.

Um comentário:

Renata Rimet disse...

É muito complicada a situação, são segundos que determinam o futuro dos envolvidos; me assusta a reação das pessoas, o julgamento é feito rápido demais, o linchamento público torna-se eminente, falta empatia, aquele simples gesto de colocar-se no lugar do outro...apenas atira-se as pedras...