Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Acusado de pedofilia em liberdade

Um dos crimes que não ficam impunes no Brasil é o de pedofilia, pois, toda a população, a justiça e até mesmo os criminosos são contra esse tipo de criminoso e quando a justiça não dá a pena devida ao infrator a população ou os próprios criminosos nas delegacias dão a pena que acham ser merecida ao miserável.


Porém essa semana algo intrigante aconteceu, o acusado de pedofilia Carlos Eduardo Vilares Barral que estava preso em prisão domiciliar ficou livre devido a uma greve da polícia civil. Sim isso mesmo, pedófilo em prisão domiciliar, afinal de contas o homem é um advogado rico que mora no metro quadrado mais caro de Salvador, no décimo andar do luxuoso Edifício Mansão Carlos Costa Pinto.

Acabo de ver num programa de televisão a população de Feira de Santana cercando uma delegacia com o intuito de terminar de linchar um acusado do mesmo crime, o cara estava todo ferido, sangrando e com um aparato policial com arma de longo calibre para protegê-lo da fúria da população, porém já era tarde, duas horas após a chegada ao hospital o acusado faleceu devido aos ferimentos. Já o advogado que se encontrava em prisão domiciliar tinha apenas dois polícias que não conheciam nem o seu rosto do lado de fora do condomínio.


Eles não poderiam revistar todos os carros que saiam do condomínio e nem havia policiais no píer que leva a Bahia de Todos os Santos, ou seja, o acusado estava em plena liberdade de ir e vir e para completar sua liberdade a polícia civil fez uma paralisação de 24 horas e deixou a precária vigilância do edifício e nada aconteceu. Imagina se a Polícia de Feira de Santana abandonasse o acusado de lá sozinho numa residência, não sobraria nem o corpo do rapaz.


Não estou dizendo que o acusado rico que mora num edifício de luxo deve ser linchado, apenas estou comparando a fúria da população contra um pobre, que não estudou nas melhores instituições de ensino e o descaso da mesma com um acusado pelo mesmo crime que teve as melhores condições de ensino e que é rico. Sim é verdade, um é de Feira de Santana e o outro de Salvador, mas sabemos que o tratamento dado pela população aos pedófilos é o mesmo em todas as cidades do país.


Com isso faço minha conclusão dizendo que pedófilo impune é pedófilo rico, opa nem posso afirmar isso, afinal o homem é advogado e rico pode abrir um processo contra mim por acusá-lo de pedofilia, então afirmo que: Acusado de pedofilia livre é o acusado rico.

domingo, 3 de janeiro de 2010

Gente Podre!

Quando comecei a atuar como bombeiro militar meus amigos me perguntavam como eu me sentia ao ver pessoas acidentadas e até eu mesmo me surpreendia por não sentir o que todos achavam que eu deveria sentir, dizem que se tivesse a minha profissão não conseguiriam dormir por ver sangue, ouvir gritos ou ver pessoas mortas. Mas isso são coisas que acabamos por nos acostumar, até mesmo quem vê noticiários e jornais sensacionalistas mostrando acidentes e mortes todos os dias se acostuma.
Impacto mesmo eu tive quando disseram que temos que isolar o local não apenas para a nossa proteção pessoal ou para os curiosos não atrapalharem nosso trabalho e sim para que pessoas mal intencionadas não furtassem os pertences das vítimas, tomei um susto. Pensei: “como é que pode uma coisa dessas, os acidentados ali agonizando e tem gente pensando em saquear seus pertences”. Hoje penso diferente, não são pessoas mal intencionadas são ladrões, não são saques e sim furtos.
Estou escrevendo sobre isso indignado, pois acabo de ler que vitimas dos deslizamentos em Angra no Rio de Janeiro estavam sendo enterradas e enquanto isso suas casas saqueadas, que pessoas estavam enterrando seus parentes e que ao chegar em casa não tinha fogão, nem televisão. Isso é podre, isso fede mais que um defunto jogado num lago e que nós bombeiros fomos acionados para retirá-lo depois do quarto ou quinto dia de desaparecido, com esse tipo de coisa eu não consigo me acostumar.