Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Como vencer a pobreza e a desigualdade


A pobreza e a desigualdade são temas discutidos em todos os países, sejam eles desenvolvidos ou em processo de desenvolvimento industrial. Isso se deve a desigualdade na distribuição de renda, a discriminação entre os seres humanos e também ao individualismo exacerbado da população atual, pois a maioria preocupa-se apenas com o seu próprio bem-estar não se importando com seu próximo.

Sendo assim, a melhor forma para vencer esse problema mundial é através de pesados investimentos públicos na educação e no planejamento familiar, além de uma pressão constante da opinião pública sobre o Congresso Nacional, cobrando rapidez na tramitação das leis referentes a melhorias na educação básica, e também de nível superior.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de 1991 até 2000 o número de jovens entre 10 e 14 anos que foram mães pela primeira vez cresceu 93,7%, sendo a maioria dessas adolescentes pobres e sem acesso a métodos contraceptivos e nem informação adequada sobre eles. Por isso, essas crianças não nasceram num lar preparado para elas e tiveram que se adequar às condições que encontraram: a pobreza!

Aliados aos investimentos na educação e as informações sobre métodos contraceptivos, é preciso uma ampliação da atividade econômica e a busca intensa de todos os paises pelo desenvolvimento auto-sustentável, o fortalecimento da cidadania e a erradicação do racismo, doença moral que atinge todos os países.

Com a tomada dessas medidas, será enorme o avanço para a vitória frente à pobreza e a desigualdade no mundo, pois se quebrará um circulo vicioso que é o de crianças que nascem de mães adolescentes pobres, que estudam em escolas públicas de péssima qualidade, com professores mal remunerados e por isso, não tem oportunidade de um bom emprego. Sem contar que ainda são discriminadas devido à cor de pele, condição social e outros fatores.

No Brasil, no ano de 2006, o governo Lula assinou uma medida provisória regulamentando o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica, porém o que adiantou isso ter sido feito se até o momento os professores ainda são mal remunerados e têm péssimas condições de trabalho, a merenda escolar ainda é desviada, existe violência e falta de segurança nas escolas? Temos escolas em bairros periféricos sem professor e professor “sem escola para ministrar aulas”, pois não se submetem a arriscar suas vidas em bairros violentos.

Nenhum comentário: