Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Transformação


Antes confiava em mim,
Hoje confio no Senhor,
Vivia cheio de si
Hoje cheio do Teu amor.

Era indeciso e infiel,
Agora sei o que quero.
Ser um servo fiel,
E assumi meu Ministério.

Já fui escravo do labor,
Hoje, servo do Senhor.
Onde antes operava a dor,
Hoje opera o Teu amor.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Razão de Viver


Com Deus sempre estarei
Pois sem, não sei viver.
E sempre que tentei,
Descobri o que é sofrer.

No escuro e sozinho,
Operava a solidão.
Na luz e com Cristo,
Tenho um novo coração.

Agora eu sou feliz,
Tenho razão de viver.
Pois Deus sempre me diz
Filho, Eu amo você.

sábado, 24 de outubro de 2009

Prefácio do meu livro

A poesia de Leandro de Assis permeia a sociedade, os problemas do cotidiano de toda grande cidade brasileira. Transporte, desemprego, sistema de atendimento médico-hospitalar, violência, drogas, habitação, desestruturação familiar e tantos mais.
O poeta tem um ouvido e um olho a mais, ele capta o que se passa ao seu redor, decodifica e transforma em arte, em denúncia, em grito de alerta. Assim é Leandro, assim são as palavras-labirintos deste livro... Além da preocupação terrena, com a falta de comida e de ar para respirar, os escritos deste poeta nos chama para uma solução viável: Deus! Seus cânticos agradecem, pedem, clamam e convida o leitor a uma comunhão com o outro, com o próximo, lição que Jesus nos ensinou mas que, devido ao atribulado do sobreviver, nem sempre nos lembramos...
A arte não pode prescindir mais da realidade, da comunidade. Leandro está muito bem inserido neste contexto, tem os pés fincados no chão, na praça e nas ruas de seu bairro de nascimento e onde vive até hoje: Plataforma lhe serve ao mesmo tempo de morada e de inspiração, tão linda que é esta parte da cidade do Salvador!

Valdeck Almeida de Jesus
Escritor, Poeta, Estudante de Jornalismo


Lançamento: 14 de Novembro de 2009

Local: MagaStore Saraiva Salvador Shopping

Hora: 18:00 horas

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Como vencer a pobreza e a desigualdade


A pobreza e a desigualdade são temas discutidos em todos os países, sejam eles desenvolvidos ou em processo de desenvolvimento industrial. Isso se deve a desigualdade na distribuição de renda, a discriminação entre os seres humanos e também ao individualismo exacerbado da população atual, pois a maioria preocupa-se apenas com o seu próprio bem-estar não se importando com seu próximo.

Sendo assim, a melhor forma para vencer esse problema mundial é através de pesados investimentos públicos na educação e no planejamento familiar, além de uma pressão constante da opinião pública sobre o Congresso Nacional, cobrando rapidez na tramitação das leis referentes a melhorias na educação básica, e também de nível superior.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de 1991 até 2000 o número de jovens entre 10 e 14 anos que foram mães pela primeira vez cresceu 93,7%, sendo a maioria dessas adolescentes pobres e sem acesso a métodos contraceptivos e nem informação adequada sobre eles. Por isso, essas crianças não nasceram num lar preparado para elas e tiveram que se adequar às condições que encontraram: a pobreza!

Aliados aos investimentos na educação e as informações sobre métodos contraceptivos, é preciso uma ampliação da atividade econômica e a busca intensa de todos os paises pelo desenvolvimento auto-sustentável, o fortalecimento da cidadania e a erradicação do racismo, doença moral que atinge todos os países.

Com a tomada dessas medidas, será enorme o avanço para a vitória frente à pobreza e a desigualdade no mundo, pois se quebrará um circulo vicioso que é o de crianças que nascem de mães adolescentes pobres, que estudam em escolas públicas de péssima qualidade, com professores mal remunerados e por isso, não tem oportunidade de um bom emprego. Sem contar que ainda são discriminadas devido à cor de pele, condição social e outros fatores.

No Brasil, no ano de 2006, o governo Lula assinou uma medida provisória regulamentando o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica, porém o que adiantou isso ter sido feito se até o momento os professores ainda são mal remunerados e têm péssimas condições de trabalho, a merenda escolar ainda é desviada, existe violência e falta de segurança nas escolas? Temos escolas em bairros periféricos sem professor e professor “sem escola para ministrar aulas”, pois não se submetem a arriscar suas vidas em bairros violentos.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Cansei de Seleção



Eu já estou cansado de tantas entrevistas
Já estou cansado de desenhar casinhas em folha de papel
Já estou cansado de desenhar pessoas no chão
Por favor, me liberem desses exames psicológicos;
E ainda pedem: Escreva uma carta de solicitação.
Querem que eu me humilhe
Então, por favor, me dêem um emprego
Nada de autônomo, é exploração
Eu quero minha carteira assinada
No fim do ano, pretendo casar com minha namorada
Eu sou cidadão, eu sou cidadão, eu sou cidadão

Já estou cansado de pedir dinheiro emprestado
Pra participar de seleção
São mais de cem pessoas pra uma vaga
Decepção
Por favor, indiquem-me, por favor, indiquem-me,
Por favor, indiquem-me
Mas não pra seleção.

É uma semana inteira de pura enrolação
Gasto o que não tenho
E depois me dizem: Aguardem nossa ligação
Mentira, mentira
Então fico em casa esperando
Aflito, aflito, aflito

Deixo de ir à praia
Deixo de ver o mar
Deixo de jogar bola
Esperando a tal
Empresa ligar
E nem um retorno
Pra dizer:
Não foi você.

Já estou cansado
Já estou cansado
Já estou cansado
de seleção.
Poema publicado no livro Eu sou todo poema em junho de 2007.

domingo, 11 de outubro de 2009

Fala Escritor


Ontem a noite, na MegaStore Saraiva Salvador Shopping, aconteceu a III edição do Fala Escritor e como nas edições anteriores foi um evento cheio de surpresas. Na palestra “Machado de Assis e Profissão do Escritor”, Carlos Alberto Barreto falou sobre as dificuldades que os profissionais do livro passam, pois não há uma regulamentação da proffisão de escritor, escritor não se aposenta, não tem registro em carteira e malmente consegue conviver apenas do seu trabalho artístico intelectual.


Barreto convidou Valdeck Almeida de Jesus, vice presidente da Câmara Bahiana do Livro para dar sua opinião sobre o assunto, além dele, participaram também, Jaime Poeta e Malu Freitas.
Nesta edição, assim como nas outras, apareceram poetas que inscreveram-se na hora do evento para o recital e assim tivemos dezoito poetas mostrando sua arte, vamos aos nomes:


Isabel Bispo, Lucumar Soares, Sandra Stabile, Malu Freitas, Leandro de Assis, René Átila, Varenka de Fátima, Renata Rimet, Monique Jagersbacher, Tássio Revelat, Luís Ramos, Valdeck Almeida, Lucelma Oliveira, Vera Passos, Priscila de Athaides, Jaime Poeta, Ildo Simões e Carlos Alberto Barreto.


Estava presente também o jovem escritor e poeta Bruno Máriston, estudante do nono ano do ensino médio no Colégio da Polícia Militar_Lobato, Bruno Máriston, que teve seu poema Violência recitado pelo idealizador do evento Leandro de Assis. No poema, Máriston fala que “gostaria de ver o mundo com muita paz e mais decência, onde todos se unissem e desse um basta na violência”. Contamos ainda com a presença dos escritores, Carlos Souza, Alexandre Amaral e da escritora Fau Ferreira, uma das organizadoras do evento.


Além dos livros Diário de Rafinha de Léo Dragone e do Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de Poesia, que já estavam programados, foi lançado o livro O Vampiro da Internet de Licínia Ramizete, que foi públicado pela editora gaucha Fábrica de Leitura. Os livros de Léo Dragone e Valdeck Almeida de Jesus estão disponíveis na Saraiva e o da Licínia Ramizete na Siciliano Iguatemi.Mais uma vez tivemos a honra ter conosco os músicos Carlos Ventura e Rick Vieira que encerraram a programação com interpretações de outros artistas e também com suas composições.


Desta vez a apresentação ficou por conta de Grigório Rocha um dos organizadores e autor do blog Poesia do Absurdo: http://poesiadoabsurdo.blogspot.com/

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

POSTAGEM DUPLA, LEIA PRIMEIRO A DE BAIXO

Mas nem sempre as coisas são assim
As vezes, por não ser planejada
Essa criança é rejeitada,
Antes mesmo de nascer.
Uma tesoura lhe é enfiada
Ou um pedaço de ferro qualquer
Ela grita, mas não é escutada
Pois está na barriga de uma mulher
Como entender?
Alguém que prega a não agressão
Que cuida do meio ambiente
Que não joga lixo no chão
Que cuida de cachorro como gente
Ao ter uma vida em suas mãos
Toma essa decisão
Será mesmo que uma vida
Vale menos que o meio ambiente?

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Nascimento de uma criança


O nascer de uma criança é um dia de festa
A mãe toma a criança em seus braços e chora
O pai, liga para os amigos e diz: Nasceu, meu filho nasceu
Dá um churrasco e comemora esse dia lindo.

Os avós, babam mais que a criança
Admirando aquele bebê, sua descendência
Procura-se semelhança nas feições do rosto
"Nossa olha a boquinha é igualzinha a da mãe.

O primeiro abraço de mãe e filho é inesquecível
A criança nua e frágil em seus braços
Respirando pela primeira vez por sí só
Então ela diz em alto e bom som:
Meu filho, obrigado Senhor, obrigado meu Deus.