Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

sábado, 21 de março de 2009

Salvador da Ignorância




Nessa Salvador da ignorância
De ricos que desmatam
De Postos (de) sem Saúde
De Políticos que não discutem
O futuro da nossa cidade.
Os médicos não têm educação
Os pacientes já não têm paciência
Os pobres estão morrendo no chão
Coitados dos que estão na emergência.
Cidade vendida para turistas
Que vem atrás de carnaval
Curtem a festa, mas deixam doenças
Todo mundo sabe, depois de fevereiro
É tempo de viroses e de passar mal
O transporte público é lamentável
Mas só sabe quem necessita usar
E o Secretário que anda de carro
Não é visto na Estação Pirajá!

Este ano o nome dado a virose que assolou
a população da cidade após o carnaval foi Dalila.
Nos "Postos [de] sem Saúde da cidade quem não
está com dengue está com dalila.

Douglas

Lá se foi mais um jovem
Desta vez, irmão de um amigo
Que ao meu lado estavas quando
Informaram-lhe o acontecido

Largou as pressas o telefone
Correu pro local do acidente
Chegando lá triste noticia
Seu irmão falecerá anteriormente

No trabalho continuei
Sem saber o que aconteceu
Pois saiu com tanta pressa
Que tempo não se me deu

Mas tarde fiquei sabendo
O que foi que ocorreu
A noticia se espalhou
O irmão do Sergio faleceu

Fiquei muito sentido
Com toda a situação
Havia poucos dias
Que conheci o seu irmão.

Deixo aqui minha homenagem
A este jovem lutador
Que dos amigos e da família
Recebeu muito amor.



Escrito em 2007! Aguardei passar um tempo e pedi autorização
da família para postar e/ou publicar!
Ele faleceu num acidente de moto.

segunda-feira, 9 de março de 2009

Somos Iguais


Na televisão, jogava Brasil x Japão
Nas mesas eu e mais ou menos 60 surdos
De repente, gritos, uivos, pulos de alegria
Era gol do Brasil e os sinais deram lugar a emoção

Até queria assistir o replay do gol
Mas meus olhos olhavam para trás
Para o extase de pessoas como eu
Alí comecei a sentir-me normal

Comecei a assumir para o mundo
Que sou diferente mais sou igual.





Obs: Tenho perda auditiva moderada
no ouvido esquerdo.

sexta-feira, 6 de março de 2009

Vida de Bombeiro

Estavámos numa tarde tranquila
Pensando no que fazer nos três dias de folga
Chegando ao anoitecer do dia
Houveram ocorrências a toda hora.
Incêndios em fábrica, madeireira e vegetação
Acidente de trânsito com preso em ferragens
Quem pela tarde pensava na folga
Na madrugada já sabia o que faría
Ía dormir.
Passamos a madruga acessos
Chegamos no quartel as oito da manhã
Caí na cama, e lá se foi o meu primeiro dia.

Agradeço, afinal: Vidas Alheias,
Riquezas Salvar, com a proteção de Deus!!!!



Fiz da imagem acima uma tatuagem no braço direito.