Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Jenelas Fechadas

Quantas vezes fechamos as janelas
Pra não ver o mal que há lá fora
Cada vez que fechamos uma delas
Uma criança na sinaleira chora.
Com fome e sem comida pra comer
O pouco que consegue cheira cola
Pra quem sabe com isso esquecer
Que precisa sobriviver de esmola.
O Brasil já não sabe o que fazer
Se constrói presídio ou se constrói escola
Enquanto isso ela está a lhe dizer
Por favor, ajude-me com uma esmola.

3 comentários:

Vivi Lima disse...

Fecham-se as janelas e alguns com isso conseguem fechar os olhos e o coração... Muito bom seu texto!!!

Sentimental ♥ disse...

é triste essa realidade, dói.
bjs

Delirium disse...

Profundíssimo! Um convite à reflexão do sofrimento coletivo! As pessoas estão cada vez mais encimesmadas, esquecendo o próximo... E a arte é um elemento de redenção, tanto que o autor consegue criar e rimar a partir de elementos reais e dolorosos, mas o que mais me impressiona, é o caráter coletivo.