Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Na direção do vento

A liberdade de pensar e fazer
O prazer de sentir e viver
A alegria de sentar e beber
Sem preocupar-se com o depois.

A direção a seguir invento
Não há norma a ser definida
Vou andando na direção do vento
Que leve-me a qualquer avenida.

O que quiseres dizer diga
Mas não garanto-lhe atenção
Estou andando na avenida
Com o vento dando a direção.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Jenelas Fechadas

Quantas vezes fechamos as janelas
Pra não ver o mal que há lá fora
Cada vez que fechamos uma delas
Uma criança na sinaleira chora.
Com fome e sem comida pra comer
O pouco que consegue cheira cola
Pra quem sabe com isso esquecer
Que precisa sobriviver de esmola.
O Brasil já não sabe o que fazer
Se constrói presídio ou se constrói escola
Enquanto isso ela está a lhe dizer
Por favor, ajude-me com uma esmola.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Natureza Humana

Escrevo o que sinto
Sinto o que escrevo
Nos escritos não minto
É sinseridade e desejo

Coisas de ser humano
Pensamentos e inquietações
Desejos e loucuras
Desvaneios e emoções

Erros e acertos
Certezas e incertezas
Intimidades e sentimentos
Coisas da natureza.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

InQuIeTo

Ser como as árvores
Que respondem ao vento
Ser como o vento
Que abre as janelas
Fecha as portas e
Faz curva em vielas


Andar pelas ruas
Sem ter aonde ir
Sair de casa só por sair
Lembrar de um amigo
Que nunca mais vi
Eu sou assim

Não fico parado
Num mesmo lugar
Quero sair,
Quero movimentar,
Passar adiante,
Ir a outro lugar.



O poema acima faz parte do meu segundo livro, cuja capa é está que apresento na imagem, em breve ele estará sendo publicado.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Assim sou eu


Não quero ouvir falar de maldição
O desejo de pecar é incontrolável
A sede pelo prazer e a emoção
Parece ser um ato lamentável.

A dor de não poder fazer isso
É tão forte que chega a irritar
Não, não vou mais controlar-me
É isso mesmo, pode críticar.

Sim, sou inconstante, sou forte e fraco
Se tenho orgulho disso? Não, não tenho
Mas e daí? Não tenho que ter nada
Quero é viver o melhor de cada dia.

Quer acostumar-se com isso?
É melhor, pois sou assim
Sempre fui assim
Não lembro-me de ter sido diferente.

Conviva comigo quando estou forte
Curta seus dias, suas emoções
Suporte-me nos meus dias de fraqueza
Minha sinceridade, é o melhor que
posso oferecer.

Essa é minha vida
Esse sou eu
Queria ser apenas forte
Ou então ficar fraco de uma só vez
Mas... é você quem escolhe
Se vai continuar, ou se vai desisitir.


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Eu Mesmo


Quando as pessoas que conhecemos mudam
Quando as ações são as menos esperadas
Sentimos que estamos diante de outra pessoa
A face, os gestos, as mãos, enfim o corpo pode
até ser o mesmo
Mas a alma, com certeza é outra
"Não, não, não te conheço
Você não é assim
Contigo já fui mui feliz
Mas agora... quem é você
O que você fez com aquela
pessoa linda que conheci?
Sonhos de uma vida foram investidos em você
E agora não sei mais o que fazer
Por favor, volte a ser como era antes
Volte a ser você".
Sabe de quem estou falando?
Estou falando de mim mesmo
Estou falando de você
Estou falando de pessoas como eu e você
Pessoas comuns que podem ser seduzidas
Por outro caminho a seguir na vida
Mas será que o outro é melhor?
É preciso colocar tudo na balança
Não darei a resposta, cada um sabe de sí mesmo
Eu sei de mim, estou tentano voltar a ser eu mesmo!


domingo, 8 de fevereiro de 2009


O fogo espalha-se sobre a vegetação
Nas beiras das estradas e rodagens
Motoristas vão perdendo a direção

Bombeiros são acionados de imediato
Levam a garrafa pet com água
Não para apagar o incêncio
Mas para conter a desidratação

Mangotes e mangueiras são armados
Jatos d'água em neblina são lançados
Os homens de vermelho saem molhados
O incêndio logo logo é controlado.