Elisa Lucinda

Elisa Lucinda

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

SOCIEDADE DESESPERADA

Assaltos a mão armada
Pistolas, fuzis, três oitão
Sociedade desesperada
Cobrando do governo solução

Solução que para alguns
É através da educação
Incentivando a cultura
Formando o cidadão

Para outros, mais imediatistas
É preciso agir com força
É preciso armar a polícia
Construir presídios
Enrijecer a justiça.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

LEMBRANÇAS




Lembrem-se dos amigos de escola
Aqueles que cresceram conosco
E que hoje não damos mais bola
Passamos e viramos o rosto.

Lembrem-se dos amigos de cursinho
Aqueles que discutiamos assuntos
Sentados naquele cantinho
E hoje não convivemos mais juntos

Lembrem-se dos amigos da faculdade
Mais de três anos de convivência
Hoje apenas saudade
Sentimos muito a ausência

Hoje temos novos amigos
Da situação em que vivemos
Mas o tempo passará
Será que continuaremos nos vendo?

sábado, 22 de novembro de 2008

DESPEDIDA


Quando está ficando tarde
O peito aperta, aumenta a emoção
Na despedida aquele beijo
Que faz bater mais forte o coração

Deito,
pensando em estar com você
Sonho que estamos juntos
Acordo feliz por um novo dia
Que com certeza estarei contigo

Pego o celular e vejo uma mensagem
És tu dizendo que me ama
Falando de saudade e de amor
E penso no dia que estaremos juntos

Ah meu amor, como penso neste dia
Em que não terei mais que ir embora
Quando a hora não nos dirá mais nada
Quando meu tempo será todo seu

Veremos o nascer e o pôr-do-sol
Viajaremos pelas mais lindas praias
Seremos como sempre pensamos em ser
Livres e felizes eu e você.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

A MINHA VIDA SEM VOCÊ

No passado errei
De ti me afastei
Com meu erro aprendi
Sem você não sou feliz


A minha sem você
Não posso nem imaginar
Não consigo mais viver
A minha vida sem você

Peço-te esqueça
Meus erros do passado
Prometo, acredite
Ser seu eterno namorado

A minha vida sem você
Não posso nem imaginar
Não posso nem imaginar
E não consigo mais viver
A minha vida sem você
Te amo!

terça-feira, 11 de novembro de 2008

COMO A PONTA DA RAIZ


Podem ofender-me
Podem falar mal de mim
Matar-me com palavras
Que abatem a alma
E deixam qualquer homem no chão
Assim como a ponta de uma raiz
De uma árvore cortada com violência
Ressurge, ressuscita, volta a ser o que era antes
Uma árvore bonita, dando os seus frutos
Em seu tempo, outono.
Eu retornarei a estar de pé
Serei um homem mais experiente
Como a ponta da raiz
Plantarei os meus pés no chão
Seguirei pra frente e feliz
Com Deus no meu coração
Amando minha família, minha raiz.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

PRIMAVERA MINHA FLOR

Fim do ano se aproxima
Primavera já chegou
As cores iluminam
Criam desejo e amor

Sentado no Campo Grande
Minha noiva a esperar
Contemplando várias flores
Até a melhor delas chegar

Grande beleza sem espinhos
Assim é a minha flor
Fomos flechados pelo anjinho
Com uma flecha de amor
.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

SER NEGRO


Ser negro
É conhecer o seu passado,
A sua história
È entender
Que pra conquistar vitória
É preciso lutar, é preciso dizer...
Pra todo mundo o orgulho de ser...
De ser negro.

Temos dificuldade para conseguir emprego
Nós somos abordados, somo sempre os suspeitos
Isso está errado, é preciso mudar
É preconceito.

Nossa felicidade é o 20 de novembro
Zumbi dos Palmares é o nosso grande exemplo
O 13 de maio, não me diz nada, pois é...
Um grande invento.

ÁFRICA ASSEDIADA


Entre guerras de etnias
Que lutavam entre si
Que buscavam soberania
Não havia nem país

Assim viviam os africanos
Com suas línguas e cultura
Até chegar o homem branco
Com suas armas e loucura

Assediaram as etnias
Que lutavam pela soberania
A viver fazendo escravos
E enviando-os para Bahia

Assim o homem branco
Com sua língua e cultura
Assediou o Continente Africano
Com suas armas e loucura

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

BALEIRO



O balde para uma criança
Já foi usado com alegria
Quando música cantarolava
Enquanto nele batia

Hoje ao vermos uma criança
Andando com balde na mão
Com certeza ela não canta
Nem uma única canção

A mochila vai às costas
Mas livro nela não há
Está cheia é de balas
Para ela trabalhar

Com mochila, balde e balas.
A criança vai à cidade
Perdendo sua juventude
Trabalhando com pouca idade.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008



Violência

A violência tomou conta da cidade
O traficante é dono das esquinas
Seja maior ou menor de idade
O tráfico hoje também emprega meninas

O tempo da maconha já passou
Vivemos no tempo da cocaína
Uma coisa é certa, não mudou,
Amanhã veremos no jornal chacinas

No IML há corpos indigentes
Que pelo tráfico foram abatidos
Corpos de jovens e adolescentes
Com rostos estranhos, rostos sofridos.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

O Mundo anda tão complicado


O mundo anda complicado
As pessoas estão desconfiadas
Há corpos caídos por todos os lados
As notícias as deixam desanimadas

Uma crise afeta o mercado financeiro
As bolsas fecham em queda
Todos estão sacando seu dinheiro
Desse jeito até os grandes bancos quebram

Os romances estão terminando em desastre
Os presos estão incomandando a sociedade
Comandando sequestros relâmpago
Se armando de dinheiro, drogas e armas

Os analfabetos agora são vereadores
Também já conseguem ser deputados
Há leis que proibem cachorros receberem
nome de gente
Há gente por aí com nome de cachorro
.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Deus cuida do nosso amor


Enquanto estamos pensando no futuro
Vivemos um belo presente
E quando estamos pensando no passado
Sentimos que já estamos diferentes

Houveram tempos de brigas e tristezas
Hoje, vivemos tempos de lutas e vitórias
Conquistas que a cada dia
Nos faz sentir Sua glória

Deus Todo Poderoso
Espiríto Santo de Deus
Que a todo tempo intercede por mim
Que a todo tempo intercede por nós
Agradecemos pelo nosso presente
Agradecemos pelo nosso passado
Sabemos que no nosso futuro estarás presente
Pois a cada dia cuida de nós.

Eu Anárquico


Que se danem os conceitos
De certo ou errado
Prudente ou imprudente
Bonito ou feio
Coerente ou incoerente
Que se danem a ética e a antiética
Que se danem as regras
Que se dane o direito
E também o bom senso
Que se dane tudo o que
Impede, embarga, proíbe
Que veda, interdita, interrompe
Reprime, susta, prende
Tudo o que detém
Que obstrui e que é obstáculo
Que se dane a reprovação
Que se dane a repreensão por repreensão
A discordância por discordância
O não porque não
Ter que responder sem estar a fim
Ter que explicar o que não tem explicação
Ter que justificar o que não tem justificativa
Que se dane responder o porquê
Que se dane o ter que fazer
Que se dane o governo
Que se dane
Porra!

sábado, 11 de outubro de 2008

Pessoas com defeito


O que fazer para ser correto
Como agradar a quem só vê defeito
Por mais que tente nunca estará certo
Mesmo que tenha feito tudo perfeito

Tem pessoas que só vê defeito
Essas pessoas não sabem elogiar
Por melhor que você tenha feito
O melhor eles não irão enxergar.
Não adianta tentar agradar

Pessoas com "visão ruin"
Com certeza vão criticar
Essas pessoas são assim
Pessoas com defeito
Não vêem nada direito.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

ESTEFANIA



Esta moça a todos encanta
Sua presença amor e esperança
Teu sorriso é sempre sincero
Em teus lábios louvor singelo.
Fany, linda como uma rosa azul!
As tuas mãos apressam para o bem
Natural tu és como ninguém
Impossível sería não te amar
Atraído como um pescador pelo mar.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

A Sanidade Dói


Tem horas que nem mesmo
Uma Palavra
Nem uma canção
A música que anima
No momento da aflição
A vontade é de gritar
Quebrar alguma coisa
Esmurrar ou chutar uma porta
"picar" a cadeira no espelho
Assanhar os cabelos
Enfim, ser louco
Sair por aí
Sem se importar com nada
Com as pessoas
Com as regras sociais
Com o pudor
Com o normal ou anormal
Como se diz por aí
Chutar o pau da barraca
Mandar tudo a merda
Nessas horas eu entendo
Porque é que alguns
Fogem à realidadade
É que as vezes
A sanidade dói!